MEMÓRIA DO PRIMEIRO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL

 (25 a 30/01/2001)

                  

Site oficial do FSM

Site do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, referente ao FSM

Site da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, referente ao FSM

Site do Le Monde Diplomatique no Brasil

Informações sobre a cidade anfitriã do evento, Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil:

  Descrição da cidade, feita pelo site Wcams 

  Dados Gerais da Cidade, existentes no site da Prefeitura 

  Dados Gerais da Cidade, existentes em site da UFRGS 

Sites variados sobre a cidade

Hotéis   

As oito organizações brasileiras que formaram o Comitê de Organização do Fórum Social são: 

- ABONG (Associação Brasileira de Organizações Não-governamentais)

- ATTAC (Ação pela Tributação das Transações em Apoio aos Cidadãos);

- CBJP (Comissão Brasileira de Justiça e Paz, da CNBB);

- CIVES (Associação Brasileira de Empresários pela Cidadania);

CUT (Central Única dos Trabalhadores);

IBASE (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas);

CJG (Centro de Justiça Global);

MST (Movimento dos Trabalhadores sem Terra).

O Comitê teve o apoio de vários parceiros nacionais e internacionais, principalmente do jornal Le Monde Diplomatique, da Prefeitura de Porto Alegre, do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) e do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul).  Paralelo ao Fórum Social Mundial, também foram realizados: Fórum Parlamentar Mundial, Fórum de Autoridades Locais pela Inclusão Social e Circuito de Rua

No evento, estiveram presentes mais de 16.000 pessoas, 184 convidados internacionais, e mais de 4.000 delegados, representando 117 países; a cobertura foi feita por mais de 1.700 jornalistas.  Foram realizadas dezenas de conferências e mais de 400 oficinas de discussão de temas sociais.

Despesas do Governo do Estado do Rio Grande do Sul com o FSM (Assessoria de Imprensa do Governo):

Infraestrutura na PUCRS (atendimento ao público, 

área para imprensa, computadores, redes de transmissão,

 montagem de estruturas): R$ 400.000,00

Cultura (montagem de shows, cachês e passagens: R$ 300.000,00

Passagens aéreas para conferencistas: R$ 170.000,00

Divulgação e cartazes: R$ 100.000,00

Total:  R$ 970.000,00

Despesas da Prefeitura de Porto Alegre com o FSM (jornal Zero Hora, 08/02/2001):

Hospedagem e recepção: R$ 186.330,20

Montagem de estande: R$ 70.410,00

Locação de equipamentos: R$ 616,28

Segurança: R$ 6.500,00

Materiais de divulgação: R$ 99.182,49

Circuito cultural de rua: R$ 56.000,00

Total:  R$ 419.038,97

IMAGENS DOS DIAS DE REALIZAÇÃO DO I FSM 

 Esse documentário foi produzido a partir de textos apresentados na seção da "Câmera 2" do site Wcams, no período de 24 a 30/01/2001.

DIA 24/01/2001 (véspera do início do evento):   

Vista da área do anfiteatro "Pôr-do-sol":  1 

Vista da área do Parque Harmonia, reservado para o acampamento indígena e para o acampamento da juventude, integrantes da programação oficial do FSM:  1 

 DIA 25/01/2001: 

Abertura do Fórum Social Mundial, no Centro de Eventos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS); estiveram presentes mais de 3.800 pessoas, representando quase a totalidade dos países do mundo, principalmente do México, do Uruguai, da Argentina e da Índia:  12,  3456,  78,  9,  1011,  121314,  15

 Vista da área do anfiteatro "Pôr-do-sol", preparado para a realização de shows; e do Parque Harmonia, em que está ocorrendo o "Acampamento indígena" e o "Acampamento da Juventude", todos integrantes da programação oficial do  Forum Social Mundial; 

- imagens das 14hs:  12 

- imagens das 19hs; marcha das representações do FSM, do centro da cidade até o anfiteatro pôr-do-sol:  12 

- imagem das 20hs; chegada de parte da marcha, ao anfiteatro pôr-do-sol:  1 

- imagens das 20h15min.; chegada da marcha ao anfiteatro pôr-do-sol; e o pôr-do-sol:  12 

- imagens das 20h30min.; pôr-do-sol na cidade; abertura do FSM no anfiteatro pôr-do-sol:  12 

 DIA 26/01/2001, antes das 16hs: 

- Vista da área do anfiteatro "Pôr-do-sol" (15hs):  1

- Vista do Parque Harmonia, em que está ocorrendo o "Acampamento indígena" e o "Acampamento da Juventude":  1

- Vista do Centro Administrativo do Estado do Rio Grande do Sul (prédio com forma de pirâmide), da PROCERGS (prédio redondo), Colégio Parobé e Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul:  1

- Largo ou Praça dos Açorianos, contendo monumento (um navio) em homenagem a colonos -portugueses açorianos, que fundaram a cidade há 229 anos, exatamente em 26 de março de 1772; eram 60 casais, que ocuparam provisoriamente a atual "ponta do gasômetro", e a idéia era que ocupassem terras ao longo do Rio Jacuí, em direção à região das missões (noroeste do Estado),  que passara ao poder de Portugal, em troca da Colônia do Sacramento (no Uruguai), conforme Tratado de Madri formalizado em 1750 entre Espanha e Portugal:  12

Inicialmente, o povoado era chamado de Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais; todavia, já em 24 de julho de 1773, quando José Marcelino de Figueiredo muda a capital da então província de São Pedro do arraial de Viamão para esse lugar, já era chamado oficialmente de "Porto Alegre".  

- Vista da praça da matriz, em que estão reunidos os vários poderes do Estado: executivo, legislativo, judiciário, futura representação do Ministério Público e a Catedral Metropolitana:  1

- Vista do Palácio Piratini, que constitui magnífico prédio construído na década de 1920,  contendo forte influência dos ideais positivistas:   1

- Vista do prédio da atual "Casa Civil", que assessora politicamente o governo; constitui  a casa mais antiga da cidade, tendo mais de 200 anos; sua conservação reflete o crescente cuidado da população portoalegrense em preservar a memória da cidade:  1

- Vista da região leste de Porto Alegre, em direção de bairros como Cidade Baixa, Azenha e Partenon (bem ao fundo), onde se localiza o Centro de Eventos da PUCRS, local de realização do Fórum Social Mundial:  1

- Vista da região sudoeste de Porto Alegre, em direção de bairros como Cidade Baixa  e Menino Deus; ao fundo, é possível enchergar o Morro da Polícia (ou das Antenas), da Glória, Teresópolis  e  do Osso; com isso, pode ser percebido que a cidade está "deitada" dentro de um conjunto de morros que a rodeia, todos contendo menos de 300 metros de altura:  12,   3

- Vista do pico do Centro Administrativo do Estado do Rio Grande do Sul (CAERGS), vendo-se ao fundo o Morro Santa Tereza, em que estão instaladas várias antenas de empresas de telefonia, televisão e rádio:  1

- Vista da Ilha do Presídio, usada durante a "época da ditadura brasileira",  na década de 70,  para manter presos políticos do então regime militar; o presídio foi desativado após polêmica fuga de apenado dentro de uma panela grande de cozinha; a ilha fica a cerca de dois kilômetros da margem mais próxima; mais adiante, à direita, podem ser vistas as chaminés de indústria de papel, localizada no município vizinho de Guaíba, a cerca de 20 kms de distância de Porto Alegre:  1

DIA 26/01/2001, após 16hs: 

- Visita ao acampamento da juventude e de representações de tribos indígenas do Brasil, no Parque Harmonia:

- Espaço físico e das acomodações:  12,  345,  6789, 1011121314 15,  16 1718,  192021

- Exposição de artesanato indígena:   12,  345,  6789101112

- Homenagem das tribos indígenas a Danielle Miterrand:  12,  345,  678910

- Ida ao Anfiteatro Pôr-do-sol, lugar de apresentação de shows à noite:  12,  345,  678

- Ida ao Gasômetro, para apreciar o pôr-do-sol:  12,  345,  6789101112

OUTRAS IMAGENS RECENTES DA CIDADE

Porto Alegre não tem a neve de Davos, onde está sendo realizado o Fórum Econômico Mundial; mas tem um pôr-do-sol de incomparável beleza; nos quadros seguintes, reveja sucessão de imagens de rara beleza e emoção, captados há uma semana atrás, no dia 18/01/2001; depois, compare qual cidade é a mais bela pela sua natureza:

Final de tarde, após intensa chuva na cidade:  12

Preparação para um grande pôr-do-sol:   12,  345,  678910

Desenvolvimento de sucessivos quadros, de várias tonalidades, até desaparecimento do sol no horizonte:  1112131415 16,  17 1819,  202122232425 2627 28

DIA 27/01/2001: 

- Vista externa sul do Salão de Eventos do FSM, em direção ao Morro da Polícia (ou das Antenas):  12

- Stands de entidades, apresentações de conferências e participação de algumas personalidades no evento:  12,  345,  678910, 111213141516, 171819202122

(ao todo, estão ou passaram pelo evento várias centenas de personalidades, do Brasil e do mundo, conforme pode ser lido em centenas de veículos de comunicação nacionais e estrangeiros; nos stands, estão presentes dezenas de entidades sociais,  políticas e contestatórias da situação social, econômica, cultural, tecnológica, política ou religiosa existente em sociedades)

- Centro de Cultura Mário Quintana, nome de memorável poeta gaúcho, que gostava muito da cidade de Porto Alegre; dedicou seus poemas à cidade, às crianças, à sua cidade natal de Alegrete (do interior do Rio Grande do Sul), e à vida em geral; morou longos anos  nesse prédio, quando constituía o famoso "Hotel Majestic":   12,  345,  67

- Cartuns expostos no Centro de Cultura Mário Quintana (estão sendo apresentados apenas alguns cartuns, da relação inteira exposta; sugere-se visitar e apreciar os cartuns expostos no 6o. andar do Centro de Cultura; agradecimentos aos autores colaboradores do FSM; pede-se não usar comercialmente essas imagens):  12,  345,  6 8910, 111213141516, 1718192021222324

- Chuva forte sobre a cidade, no final da tarde:  12,  345,  67

- Ambiente e apresentações artísticas numa Churrascaria típica do Rio Grande do Sul:

  12,  345,  678910, 111213141516, 1718192021222324252627282930

DIA 28/01/2001: 

- Amanhecer no acampamento indígena e da juventude:  12

- Monumento em homenagem a Bento Gonçalves: 1

Bento Gonçalves foi o líder da maior e mais heróica epopéia dos gaúchos, chamada "Revolução Farroupilha",  que constituiu uma tentativa de separação política do Estado do Rio Grande do Sul do resto do Brasil, entre os anos de 1835 e 1845; os rebeldes (republicanos), em número superior a duzentos, entraram na então vila de Porto Alegre via ponte da Azenha (que ficava na área do monumento, na atual Av. João Pessoa), na noite do dia 19 de setembro de 1835. Os legalistas (monarquistas, que estavam no poder, sediado no Rio de Janeiro) recuperaram a cidade somente em 15 de junho de 1836. A partir de então, até 1840, a cidade foi fortemente sitiada pelos rebeldes farroupilhas; para protegê-la, foi necessário cercá-la em toda extensão, que compreendia a atual área do bairro centro; na atual "Praça do Portão", ao lado da Irmandade Santa Casa de Misericórdia (típico hospital de origem portuguesa),  existia um portão para entrar e sair da vila. Em sua passagem pela vila em julho de1821, o biólogo francês August Saint Hilaire referiu que a Santa Casa ficava em lugar alto e aprazível, fora do borborinho da vila. Remonta dessa época a expressão "leal e valorosa Porto Alegre",  porque se postara oficialmente ao lado do império, embora com muitas divergências internas.  A região de campos (ou da campanha) do Rio Grande do Sul posicionara-se fortemente ao lado dos rebeldes farroupilhas, que contaram com importante ajuda de Giuseppe Garibaldi, um estrategista de guerra de origem italiana; numa viagem para Laguna, no Estado de Santa Catarina, Garibaldi conheceu e casou com uma corajosa mulher, depois chamada Anita Garibaldi, que o acompanhou nas andanças da guerra, a cavalo (a casa natal de Anita  permanece preservada). Anos mais tarde, Garibaldi voltou para a Itália, para lutar pela sua unificação; por isso, é conhecido como "herói de dois mundos". O Estado foi pacificado, com o atendimento de uma série de reivindicações, principalmente em relação a um tratamento mais justo por parte do governo central, em 1845,  por Duque de Caxias, que agora é homenageado por uma das mais importantes ruas da cidade. Todavia, os ideais dos revoltosos farroupilhas continuam expressos nos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul, com a expressão "República Rio-grandense", e o lema "liberdade, igualdade, humanidade".  

- Entardecer no acampamento indígena e da juventude:  12

DIA 29/01/2001: 

- Amanhecer na cidade:  123

- Imagem mítica dos gaúchos: 

As pessoas naturais ou residentes no RS são chamadas de "gaúchos"; originam-se de uma mescla de povos. Aos nativos (índios charruas, minuanos, guaranis e caingangues),  juntaram-se depois múltiplas outras etnias de imigrantes, como portugueses, espanhóis, africanos, alemães, italianos, poloneses, russos, ucranianos, árabes, principalmente libaneses e palestinos, judeus e outros); dessa mistura, formou-se uma cultura rica e distintiva, difundida pelo Brasil a fora por sucessivas levas de migrantes. Dentre as manifestações mais caraterísticas da "cultura gaúcha",  estão a prática de "tomar chimarrão", constituição de CTGs (Centros de Tradição Gaúcha)  e churrascarias, uso de linguajar e roupas típicas, posse de folclore variado, e prática de "danças tradicionais gaúchas", como da "cana verde", da "chimarrita" e do"pezinho". A "alma" (ou imaginário) do gaúcho está povoada pelos sentimentos de liberdade, altivez, hospitalidade. O lema dos lendários farroupilhas, de "liberdade, igualdade, humanidade",  continua presente como princípio orientador nas ações dos governos, das empresas e instituições em geral, na vida das cidades e do campo.  À simplicidade inicial, somaram-se agora visões novas, considerando aspectos de tecnologia, de produtividade e competividade. Empresas locais, como a Gerdau, VARIG, Ipiranga, Marcopolo, Tramontina, Pólo Petroquímico e outras; e filiais de empresas multinacionais, como a GM (General Motors), Dell Computers e outras, são aqui bem sucedidas porque encontraram um território peculiar, que considera,  ao mesmo tempo, valores antigos e novos, e suas singularidades na pluralidade. Muitos visitantes a essa terra vieram "de passagem", mas tanto dela gostaram que acabaram "aportanto" sem voltarem. É por isso que a cidade e o Estado contam com magníficas contribuições de ilustres visitantes, como Aldo Locatelli (de origem italiana, veja imagens: 1, 2, 4, 5, 6, 8, 9, 10, 11 / 1 / 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8) e Theo Wiederspahn (arquiteto de origem alemã, veja imagens:  12)

- Entardecer no acampamento do Parque Harmonia, e no Anfiteatro Pôr-do-sol:  12

- Apresentações de conferências, stands de entidades,  participação de pessoas e personalidades no evento; preparando o encerramento do fórum no dia seguinte:  12,  345,  678910, 111213141516, 1718192021222324

- Apresentação de show noturno no Anfiteatro Pôr-do-sol:  12,  345,  67

DIA 30/01/2001: 

- Amanhecer nos acampamentos do Parque Harmonia , no dia de encerramento do Fórum:  12

- Stands de entidades,  participação de pessoas e personalidades no evento:  12,  345,  678910, 11121314

- Seção de encerramento do Fórum:  12,  345,  678910

- Mosaico de pedras de paístes representados no Fórum:  1

- Dispersão dos participantes, com o encerramento do Fórum:  12,  345,  678910, 111213141516

- Painéis do Fórum, expostos no Centro de Eventos da PUCRS:  12,  34,  56789101112

Aos visitantes, participantes e organizadores do evento, nosso muito obrigado. 

Esperamos estarem de volta a esta "simpática cidade" em 2002, quando o evento será maior ainda.

=> Para obter informações do II Fórum Social Mundial, a ser realizado em 2002, em Porto Alegre, acesse:  http://www.portoalegre2002.net

 

Responsável pela edição do site Wcams: Luis Roque Klering, professor de disciplinas de graduação e pós-graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e pesquisador do Centro Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Possui doutorado em administração e atua nas áreas acadêmicas de:  pesquisas quantitativas, teorias organizacionais, gestão pública,  e sistemas e tecnologias de informação. Desde 1983, realiza pesquisas sobre desenvolvimento de municípios. Faz parte do Comitê Técnico do Programa de Gestão Pública e Cidadania, da Fundação Getúlio Vargas, de São Paulo.

O desenvolvimento desse breve documentário sobre o Fórum Social Mundial iniciou de forma fortuita, quando o autor soube (por rádio) que a seção de abertura no Centro de Eventos da PUCRS havia atrasado. Estando perto do evento, foi até o mesmo e obteve licença para documentar a seção inaugural. A partir daí, impressionado, impôs-se naturalmente o compromisso de contribuir para a documentação desse evento de caráter  inédito para a cidade de Porto Alegre. Dentre as imagens mais expressivas, o autor destaca as obtidas no acampamento indígena, onde chegou casualmente quando estavam fazendo uma homenagem para Danielle Miterrand. Pede-se excusas para os stands, cartuns, personalidades importantes e dezenas de fatos que não puderam ser fotografados, ou que foram com falhas. 

O documentário foi realizado de forma que cada leitor possa tirar suas próprias conclusões; afinal, uma imagem pode valer por mil palavras, e as fotos obtidas do evento, especialmente as finais, podem revelar, de forma singular e individual, o que de fato foi e significou o 1o. Fórum Social Mundial realizado nesta cidade de Porto Alegre.

Webmaster: lrklering@adm.ufrgs.br