IMAGENS DE 28/01/2002 a 05/02/2002:

 veja na seção referente ao II FSM

IMAGENS DE 20/01/2002: 

PORTO ALEGRE-RS:

- rua do bairro Montserrat, colorida por árvores em fase de floração (como cassiás-multijuga, de cor amarela):   1,   2,   3

- avenida Nilo Peçanha e adjacências (do bairro Bela Vista), coloridas por árvores em fase de floração (como canafístulas, de cor amarela):    1,   2,   3  4,   5,   6

- floração de uma espatódea, em rua do bairro Montserrat; esta espécie de árvores (cujo nome oficial é Spathodea campanulata) é nativa da África; produz flores vermelhas em forma de campânulas; também é conhecida pelo nome de tulipa-da-África; existe em outras cidades do Brasil, principalmente em Brasília, onde foi plantada com grande profusão:  1

- obras de duplicação da futura 3a. Perimetral, que "cortará" a cidade de norte a sul,  "oxigenando" economicamente expressiva parcela da área urbana; exercerá papel semelhante à  Avenida Paulista, na cidade de São Paulo:   1,   2,   3

- monumento à índia Obirici, junto ao Viaduto Obirici, situado no bairro Passo da Areia:   1,   2

Antigamente, o território onde foi erguida Porto Alegre era ocupado por duas tribos indígenas: Tapiaçu, que ocupava o cume do Morro Santa Tereza; e Tapimirim, que  se situava às margens do atual rio Gravataí. 

Conta a lenda que Obirici, a filha predileta do cacique dos Tapimirim, teria se apaixonado e morrido de amor por Upatã, filho mais velho do cacique da tribo Tapiaçu. Todavia, outra índia também se apaixonara pelo guerreiro. A sorte foi então decidida numa competição de arco e flecha, cuja vencedora desposaria Upatã. Muito nervosa, Obirici teria errado o alvo e, em decorrência, perdido sua grande paixão. Teria saído, então, a caminhar por uma grande planície arenosa, onde hoje se situa o bairro Passo da Areia. Cansada, teria se sentado embaixo de uma figueira e ali ficado chorando. Em meio a preces e lágrimas, teria pedido com os braços erguidos ao céu que o deus Tupã viesse buscá-la.  Teria morrido, assim, de amores por Upatã. Das lágrimas, teria se formado um pequeno riacho, que corria sobre a areia, entre colinas e vales, árvores e plantas. Por isso, as mulheres indígenas que perdiam seus maridos em batalhas buscavam consolo nas "lágrimas de Obirici". 

A lenda, registrada pelo escritor José Antônio do Vale Caldre e Fião, era recitada por um velho índio guarani, chamado Vicente, que teria fugido de um dos Sete Povos das Missões, logo após o final da Guerra Guaranítica, ocorrido em 1756.  Em Porto Alegre, que recém estava recebendo seus primeiros habitantes, teria se instalado na área em que atualmente fica o Viaduto Loureiro da Silva. 

A estátua em homenagem à índia Obirici foi inaugurada em 13/03/1975, quando o prefeito da época, Telmo Thompson Flores, inaugurou o viaduto no cruzamento das avenidas Plinio Brasil Milano e Brasiliano Índio de Moraes. A escultura foi modelada pelo artista Mário Arjonas e projetada por Nelson Boeira Fairich. (fonte: revista Viva no Sul, Ano 3, Novembro de 2000, p. 10-11)

Da mesma forma como a história de Obirici, a história dos povos indígenas é, invarialmente, muito triste.

No Rio Grande do Sul, a sina dos indígenas foi selada pela deplorável Guerra Guaranítica, que quase aniquilou a população indígena existente em 1756, e dispersou o restante.  Originalmente, a população nativa do Rio Grande do Sul era formada por cinco nações de indígenas: charruas, minuanos, patos, tapes e guaycanans; a maior influência nos hábitos e valores dos gaúchos veio dos charruas e minuanos, que eram os mais bravos e guerreiros. Habitavam uma região formada pelo atual Estado do Rio Grande do Sul e parte do Estado de Santa Catarina, que foi longamente disputada por Espanha e Portugal.

Pelo Tratado de Tordesilhas, firmado entre Portugal e Espanha em 1494 (logo após a descoberta da América por Cristóvão Colombo), a Portugal perteceriam todos os territórios descobertos a leste de um meridiano situado 370 léguas  a oeste do arquipélago de Cabo Verde, ou seja, a leste de uma linha imaginária ligando as atuais cidades de Belém, do Pará;  e Laguna, de Santa Catarina. O Tratado permaneceu válido até 1750, quando pelo Tratado de Madri  passou a vigorar o princípio de que a terra pertence a quem a ocupa.

Conforme previsto, os espanhóis vieram ocupar logo seus territórios, fundando cidades como Buenos Aires e Assunção, em 1536. Fundaram, também, por intermédio dos jesuítas, diversas povoações na bacia do Rio Uruguai; no lado oriental, fundaram reduções como São Miguel (a primeira, em 1627), São João, São Lourenço, São Luiz, São Nicolau, São Borja e Santo Ângelo (a última, em 1707).  Todavia, aventureiros paulistas aterrorizavam constantemente qualquer iniciativa de povoação ou colonização de terras, que dificultava enormemente a expansão espanhola na área. De outro lado, as andanças de aventureiros portugueses, a procura de gado ou de índígenas para serem  levados embora, encorajou a Coroa Portuguesa a dominar de forma mais definitiva a região.  Por isso, Portugal resolveu fundar, em 1680, em frente a Buenos Aires, uma fortificação chamada Colônia do Sacramento, para atestar seu domínio sobre os territórios a leste do Rio da Prata.  A Colônia foi arrasada no mesmo ano; entretanto, via negociações, foi retomada em 1683. Foi novamente entregue aos espanhóis em 1703 e retomada (em função do Tratado de Utrecht) em 1716. Com a tomada de Montevidéu pelo governador de Buenos Aires, Colônia do Sacramento ficou sitiada, e, por isso, abandonada pelos portugueses em 1736, que recuaram até Rio Grande, onde fundaram em 1737 o Presídio Jesus Maria José (sob comando do brigadeiro José da Silva Paes).

O Tratado de Madri tinha a intenção de resolver os conflitos de terras entre Portugal e Espanha; trocava os Sete Povos das Missões (que ficaria para Portugal) por Colônia do Sacramento (que ficaria para a Espanha); pelo Tratado, os índios deveriam retirar-se com seus pertences móveis para o outro lado do Rio Uruguai; todavia, estas determinações causaram grande revolta entre os povos indígenas, que se rebelaram contra os signatários do Tratado (Portugal e Espanha); por isso, entraram em guerra contra os exércitos português e espanhol (chamada de Guerra Guaranítica); após pequenas escaramuças, em que morreu o líder Sepé Tiaraju,  foram severamente vencidos na batalha de Caiboaté, em 1756; nesse combate, morreram mais de 1.200 guerreiros indígenas, inclusive o novo chefe Nicolau Languiru. 

Derrotados nos combates e perseguidos nos próprios entrincheiramentos, abandonaram suas terras e se refugiaram nas matas e nas serras.

- área da antiga "estância de criar",  ocupada pelo primeiro sesmeiro e fundador de Porto Alegre, Jerônimo de Ornelas, em 1732:   1

 Jerônimo de Ornelas nasceu em 1690, na Ilha da Madeira. A "Sesmaria de Santana" possuía cerca de 14.000 hectares. Com a chegada dos casais de açorianos em 1752, que se estabeleceram "provisoriamente" na ponta da península (atual "Ponta do Gasômetro"), teve aborrecimentos que o fizeram mudar de lugar; comprou, então, outra propriedade nas proximidades da Freguesia de Triunfo e, cinco anos mais tarde, uma outra entre os rios Sinos e Caí, que deu origem ao atual município de Capela de Santana. Jerônemo de Ornelas  faleceu em 1771, na Freguesia de Triunfo; desse tronco familiar, descenderam várias famílias gaúchas ilustres, como Gonçalves, Gomes Jardim, Guimarães e outros.

- antigo "caminho para Viamão", que foi recentemente remodelado:   1

- conjunto residencial do Passo da Areia, ou "Vila do IAPI":   1,   2

 O IAPI  foi o primeiro "conjunto residencial" do país;  sua construção foi promovida pelo Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Industriários (IAPI) e idealizada pelo engenheiro Edmundo Gardolinski;  previa 2.500 moradias, 31 lojas comerciais, 1 largo para mercado público, 11 praças e jardins, escola, postos de distribuição de leite e outros serviços e recursos. Foi inaugurado em 1953 pelo presidente Getúlio Vargas.  As ruas possuem uma característica peculiar:  são curvilíneas, sem descontinuidades à vista. 

Nesse conjunto, nasceu um dos maiores mitos da música popular brasileira, falecida há 20 anos, em 19/01/1982: Elis Regina Carvalho Costa.  Foi autora de grandes sucessos da época de ouro do movimento da "bossa nova", como Madalena; Romaria; Alô, Alô, Marciano; Arrastão; O Bêbado e a Equilibrista; e Águas de Março. Deixou muitas saudades e fâs pelo Brasil afora, que até hoje relembram e repassam músicas desta cantora gaúcha (também chamada afavelmente de "espoletinha"), que "chiava nos esses e carregava nos erres", que encerrou sua vida com apenas 36 anos. (fonte: jornal Zero Hora, Segundo Caderno, 19/01/2002)

- prédios do Campus da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em que será realizado o II Fórum Social Mundial:   1,   2,   3

IMAGENS DE 19/01/2002: 

PORTO ALEGRE-RS:

- passeio pela Praça ou Largo dos Açorianos, cujo monumento homenageia 60 casais de açorianos, que vieram das Ilhas dos Açores há 250 anos (em 1752),  para povoar a região das Missões do RS e garantir o cumprimento das disposições do Tratado de Madri, celebrado em 1750; nesta área com formato de península,  onde atualmente se situa o centro da cidade de Porto Alegre,  foram arranchados, à espera de tempo apropriado para poderem subir o rio Jacuí (a população indígena se rebelara contra os termos do Tratado de Madri, dando origem à Guerra Guaranítica, pela qual foram praticamente aniquilados em 1756).  Na época, esta área era considerada pública, porque ficava dentro da faixa de 1/4 de légua (1.650m) junto a rios navegáveis (Gravataí, Sinos, Caí e Jacuí); tanto esperaram, que ficaram, passando o lugar a ser chamado de "Porto dos Casais".  Alguns anos mais tarde, em 26/03/1772, a aglomeração passou à condição de "capela curada", ou seja, com a assistência de um cura ou padre permanente (e esta data é considerada como sendo da fundação de Porto Alegre).  Em 1763, a capital da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul teve que ser mudada para Viamão, em virtude da tomada da cidade de Rio Grande pelos espanhóis (que também se arrependeram dos termos do Tratado de Madri); após outros 10 anos, a capital foi novamente mudada, de Viamão para Porto Alegre, que ficava estrategicamente melhor situada; desta península ("em forma de teatro") era possível atingir e guarnecer mais facilmente o sul e o oeste do Estado (região central e das Missões), pelos rios e lagos navegáveis que a banhavam:   1,   2,   3  4,   5,   6,   7,   8

- passeio pelo Parque Harmonia, onde irá ocorrer o "Acampamento da Juventude",  durante a realização do II Fórum Social Mundial:   1,   2,   3

- floração de canafístulas, que nesta época do ano marcam sua presença na cidade com inúmeros pontos amarelos:   1,   2,   3  4,   5

- floração de uma cássia-multijuga, que ajudam a marcar a cidade de amarelo nesta época do ano:   1

- restauração do antigo Palácio Provisório do Governo e das Cocheiras, popularmente mais conhecido como "Forte Apache"; sua construção foi iniciada em 1857;  durante a construção do Palácio Piratini (atual sede do Governo Estadual), entre os anos de 1896 e 1921,  constituiu o Palácio Provisório do Governo Provincial; em 1906, foram construídas cocheiras, motivo pelo qual também ficou conhecido pelo nome de "Prédio das Cocheiras"; em 1982 foi tombado pelo Patrimônio Histórico do Estado e em 1998 foi transferido para o Ministéio Público, que passa a ocupar esse expressivo prédio, junto aos demais poderes (Executivo, Legislativo, Judiciário):   1

IMAGENS DE 13/01/2002: 

PORTO ALEGRE-RS:

- árvore da paz despida do revestimento (ou "túnica")  verde; "em nome da paz", muitos portoalegrenses gostariam que a estrutura (construída provisoriamente para a época do Natal) fosse ali mantida:   1

- árvore conhecida popularmente pelo nome de cássia-multijuga, em fase de floração, situada junto ao Parque Moinhos de Vento; o nome oficial desta espécie de árvores é "Senna multijuga"; é exótica, originária da Índia; possui tronco tortuoso, copa com ramificações baixas e pendentes:    1

- novo hotel (denominado Parthenon Manhattan Porto Alegre),  situado no bairro Moinhos de Vento; Porto Alegre está recebendo mais de 20 hotéis novos, principalmente ao longo dos eixos Independência, Carlos Gomes e Borges de Medeiros; o bairro Moinhos de Vento faz parte do grupo de bairros mais ricos da cidade, também formado por Bela Vista, Montserrat, Chácara das Pedras e Assunção; neste bairro, também foi instalado recentemente o hotel mais fino da cidade (unidade da rede Sheraton):    1  

- Praça Júlio de Castilhos, na parte mais alta do bairro Moinhos de Vento; ali destacam-se espécies de árvores, como uma palmeira das canárias e uma quaresmeira (segunda foto):     1,   2

- calmaria de ruas, como Fernando Gomes e Padre Chagas, do bairro Moinhos de Vento; nesta época do ano, muitos portoalegrenses encontram-se em férias, em praias do litoral norte do RS (de cidades, como Tramandaí, Torres, Capão da Canoa e outras):    1,   2,   3

- jardins da Hidráulica Moinhos de Vento, mandada construir pelo prefeito Loureiro da Silva; as instalações estão em fase de reforma; quando estiverem concluídas, poderão constituir importante ponto turístico da cidade:   1,   2,   3  4,   5,   6

- Hotel Sheraton e Shopping Center Moinhos de Vento (imagens frontais, e imagens do entorno):    1,   2,   3  4,   5,   6

IMAGENS DE 12/01/2002: 

BOM PRINCÍPIO-RS:

- árvore conhecida pelo nome de "chuva de ouro" (ou, também, "uvas de ouro"); localiza-se na calçada de uma rua da localidade de Bom Fim Alto, do município de Bom Princípio-RS, que foi recentemente classificado pelo IBGE como sendo um dos 10 municípios do Brasil com maior taxa de alfabetização (98,3% da população acima de 10 anos):    1,   2,   3

IMAGENS DE 11/01/2002: 

PORTO ALEGRE-RS:

- alegria de jovens que passaram em vestibular; Porto Alegre possui duas grandes universidades: PUCRS e UFRGS; na região metropolitana, situam-se outras duas grandes Universidades: ULBRA e UNISINOS; no Brasil, existem 2,6 milhões de estudantes de graduação (1,53% da população); no RS, 195 mil (1,95% da população), dos quais  43 mil (22%) em universidades públicas e 78% em universidades (e faculdades)  privadas e comunitárias. Nas faculdades de Porto Alegre, estudam 85,2 mil estudantes (43,7% do total). O "trote" aplicado por estudantes veteranos a calouros, ou pelos calouros entre si, constitui uma espécie de ritual (ou "batismo")  de entrada num novo grupo organizacional, dos estudantes de ensino superior; por isso, esta passagem gera grande regozijo e realização, manifestada nas ruas da cidade, nas janelas de residências, normais e de verão; nesta época, é comum ver desfiles de faixas, parabenizando jovens por aprovações em vestibulares:    1

- árvore denominada popularmente canafístula, em fase de floração; a árvore é nativa desta região meridional do Brasil; caracteriza-se pela posse de tronco reto e copa elevada:    1 

IMAGENS DE 05/01/2002: 

PORTO ALEGRE-RS:

- imagem do táxi-lotação número 350, da linha Santana, sequestrado  na manhã do dia anterior (uma 6a. feira),  por jovem (auxiliar de cozinha) que pedia R$ 500 mil e um helicóptero para fugir, em troca da libertação de 8 pessoas tomadas como reféns; o impasse chegou ao final após 27 horas de negociações (quando, por cansaço, o jovem se entregou às autoridades de segurança do Estado); o caso ganhou notoriedade mundial;  o veículo não será mais usado no transporte de passageiros, nesta modalidade usada de forma peculiar em Porto Alegre; os "táxi-lotação" são um misto de táxi convencional e ônibus urbano:   1

Webmaster: lrklering@adm.ufrgs.br